free web site creator

Impressa

R$30,00
  • 88 Páginas
  • Colorida
  • R$ 10,00 Frete

Digital

R$10,00
  • Formato PDF
  • 88 Páginas
  • Colorida

Futebol: A Metafísica dos Jogos Pagãos
Yevgeny Golovin

Podemos lembrar dos nossos antepassados cristãos, Lutando incessantemente contra Dionísio, Eros, Afrodite e Ares. Os clubes de futebol - semelhantes às antigas sociedades secretas: há um mestre (presidente), capítulo
(treinadores), sargentos (staff técnico) e soldados (cavaleiros da bola de futebol). Alguns contestam que é uma imitação, uma paródia, como posso comparar a batalha dos cavaleiros contra a morte com tais... exibidos? Posso, certamente. Em duas horas de uma luta frenética de futebol ou nos quinze rounds de uma luta de boxe, vários atletas não deixam o campo ou o ringue muito debilitados? 

Grécia, Egito, Gnósticos e Alquimistas
Alexander Dugin

Alexandria tornou-se o centro
místico grego e mais tarde o coração da Tradição platônica e especialmente neoplatônica. Filo, o Judeu, era alexandrino
e reescreveu a teologia judaica numa forma platônica; temos, de um lado, Amônio Sacas professor dos lendários Plotino e Orígenes, com o neoplatonismo helênico de Porfírio. Jâmblico, Damáscio e Siriano e, do outro, o neoplatonismo cristão de
Orígenes, dos santos padres capadócios e do Pseudo-Dionísio Areopagita. Obviamente, neste caso, a influência egípcia foi indireta e seletiva, mas a própria geografia indica que foi no Egito helenístico que ocorreu a forma mais detalhada e apofática da metafísica idealista - principalmente com o neoplatonismo que é o culminar metafísico e filosófico do logos gregos, seu resumo final e seu desenho cristalino.

O Espaço do Mito
Galina Bednenko

O surgimento e desenvolvimento
da ciência antropológica nos livrou da teoria falha de J.J. Rousseau sobre seu “bom selvagem”, através do estudo
da mentalidade dos povos primitivos, preservados pelos mitos. Ele imaginava que havia um estado arcaico natural
e original, anterior aos “povos
civilizados”, mas sua ideia faliu por falta de provas. A esquisa de Lucien Lévy-Bruhl ajudou a identificar os traços da magia primitiva ou mitológica” inerente ao pensamento das fases arcaicas, bem como no desenvolvimento da consciência. Como regra geral, o homem possui representações coletivas
características do grupo. Além disso, o mundo em torno do grupo é animado por um personagem misterioso, capaz de um show completamente imprevisível (que pode tanto estar presente como distante), pois é preciso manter um certo equilíbrio pelo ritual, conseguido
por determinadas cerimônias,
rituais e tabus.

Um Grito na Encruzilhada
Bruno Gerfili

Há cerca de 20 anos atrás, quando se falava de Quimbanda dentro dos círculos iniciáticos no Brasil, muitas pessoas
recriminavam tais praticas, como algo pejorativo, ou qualquer outra coisa
sem nenhum tipo de argumento sólido, e experiência no assunto. Porém, mesmo que ainda esteja começando a ganhar espaço dentro da educação espiritual de grande parte dos adeptos de outras doutrinas, a Quimbanda, vem tomando uma proporção favorável nos
últimos anos. Com a visível propagação midiática em diversos meios, e a imersão
de inúmeros templos de Quimbanda, muitas pessoas se voltaram para esta
prática, como mais um recurso de luta e aprendizado espiritual, e obviamente, mais um modo para se ganhar dinheiro.
Mas afinal, de onde surgiu esta explosão de seguidores da Quimbanda?

Thanatos: I See Dead People
Marcelo Del Debbio

Para os ocultistas, os seres humanos possuem sete corpos. A saber: O Corpo Físico (este de carne e osso), o Duplo Etérico (que possui uma infinidade de nomes, de acordo com a tradição estudada: perispírito, campo etérico, corpo vital, biossoma, corpo ódico, corpo bioplasmático, prânamâyakosha,
Veículo de Prana, etc). O Duplo etérico faz a ligação entre nossos corpos mais sutis e o nosso corpo físico,
adotando a mesma forma que nosso corpo físico. Estudar o duplo-etérico é extremamente importante para compreendermos
a maioria das lendas a
respeito de fantasmas e assombrações.

Magia e Profecia
Humberto Maggi

Hoje, tendo acesso aos textos sobreviventes da magia greco-romana, podemos verificar que a associação entre magia e profecia já estava bem estabelecida no início do cristianismo, o filho bastardo das culturas da Grécia e dos judeus. Elas foram utilizadas para uma nova interpretação de figuras
religiosas como Moisés e Abraão que, conforme era largamente crido, seriam magos. Jesus, sucessor de ambos, é considerado por muitos pesquisadores de hoje como um mago e milagreiro itinerante, deificado após sua morte por seus seguidores, é um excelente exemplo de como a magia pode originar uma nova fundação religiosa, que não deve causar muita surpresa caso prestemos
atenção às origens xamânicas da religião e da magia. 

A Jornada do Louco: O Ego é Atraído Pelo Sistema Solar: Parte 2
Fernando Liguori

Na A∴A∴ um ponto crítico do sistema é quando o Candidato alcança Netzach. Nessa etapa nós podemos dizer que a kuṇḍalinī alcançou o maṇipūra--cakra. Como mencionei em minha obra Cakra Sādhanā: O Despertar da Serpente de Fogo, quando a kuṇḍalinī ainda está se movimentando pelos cakras inferiores, o complexo mūlādhāra-swādhiṣthāna-maṇipūra, ela pode voltar a adormecer a qualquer deslize do Candidato. Somente quando
ela alcança o anāhata-cakra é que o caminho não tem mais volta. Ela começa a colonizar cada um dos cakras superiores até a coroa final. É por esse motivo que o Grau de Filósofo na A∴A∴ é muito crítico. 

Xamanismo e Escatologia
Álvaro Hauschild

O xamanismo é a forma religiosa organizada mais antiga, primitiva e pura da qual temos registro; nossos “registros”, contudo, não passam de uma colcha
de retalhos de objetos sem descrição e sem um valor filosófico preciso. O contato do homem moderno com
tribos africanas, ameríndias e do interior da Ásia ajudou muito para que estes registros antigos fossem do melhor
modo interpretados. Isto se deve a um fato típico: o xamanismo tende a rechaçar o sistema de escrita ou de ereção de impérios burgueses feitos com material
artificial; a própria modificação no desenho de uma montanha ou floresta é, para os xamânicos, um processo de corrupção do divino e sagrado. Vemos, portanto, que há nestes povos algo que interpretaríamos como uma espécie de panteísmo, o que não é bem verdade, quando um xamã, ao observar uma cidade moderna, simplesmente diria que ali o deus não mora mais. 

Manifesto do Futuro da Grande Arte
Milena Beffa e Rubem Kayonan

E quanto a nós? O que podemos fazer em termos reais, estratégicos, para libertar mais mentes enquanto nos resta tempo? O que fazer para delimitar e garantir o nosso espaço e existência?
Talvez primeiro devêssemos buscar um denominador comum, uma equivalência maior que as eventuais diferenças de leitura, conceitos e de ritos que praticamos. Os radicais, travestidos de monoteístas,
muito habilmente criaram esse
denominador comum há muitos anos atrás. Esse denominador comum se transformou em uma arma fatal batizada de “demônio”. Pois sabemos bem que, ao longo de nossa história, tudo que é contra as crenças e normas dos radicais possui esse nome. Sendo assim, porque então nós, adoradores da Arte, não podemos encontrar também o nosso denominador comum? 

A Linguagem Secreta de Sinfield
Sebastiano Brocchi

E a música "Lizard" refere-se, firmemente, ao nascimento, morte e renascimento
do amor no coração humano,
em várias formas e cada vez mais finas, como em uma progressiva desnatação
ou destilação, até que se chegue ao amor em um sentido absoluto. Do lagarto morto nasce um cisne e, após o cisne, temos o belo pavão
(“Now tales Prince Rupert's peacock brings”), animal associado à Vênus,
a deusa do amor. Deve-se
acrescentar que, de acordo com a crença generalizada, os lagartos são perigosos e mantidos longe das penas de pavão! Em um sentido simbólico, a alma vazia do lagarto (“Wake your reason's hollow vote”) se afasta da alma que é a noiva do marido celestial, representado pelo pavão. Este belo pássaro que está no bulbo do alquimista e vem dominar o dom de Vênus está em apenas um livro e que,
pelo menos na minha opinião,
influenciou o álbum "Lizard" e
também a capa do próprio álbum. 

Missão, Destino e Livre-Arbítrio
Veet Pramad

A programação infantil que transforma seres amorosos, espontâneos, verdadeiros, alegres, inocentes,
imprevisíveis e perceptivos em candidatos a escravos de padrões e normas de conduta, falsos, amedrontados, carentes
e frustrados, é a concretização
fundamental de nosso karma.
Assim a família, ajudada pelos meios de comunicação, religiões e em menor grau a escola, nos “karmatiza” até colocarmos no mesmo ponto de evolução
que estávamos na encarnação anterior, dando-nos assim a oportunidade de encarar e resolver aquelas questões internas, medos, feridas de abandono ou de rejeição, padrões autodestrutivos, auto
invalidação, necessidade de se impor, síndrome de Peter Pan, etc., que arrastamos
de vidas anteriores. 

Vinho & Drogas Estranhas
Kayque Girão

A constatação desse tipo de proximidade ritualística do fumo para com diversas vertentes se deu ao estudar o
recente movimento reconstrucionista da Tradição Salomônica, acompanhando
opiniões de diversos praticantes e autores da área, percebo que a
maioria, total ou parcialmente, acabam convergindo para a tese de que a raiz de todas as práticas cerimoniais reside
no xamanismo tribal dos tempos primitivos e anterior às grandes civilizações da Antiguidade. Claro, com o desenvolvimento
tecnológico muito haveria
de se perder com o passar do tempo, mas com toda certeza a essência das práticas estaria sempre amalgamada ao
inconsciente coletivo da humanidade, hibernando e aflorando nas mais diversas
vertentes e sob os variados nomes e conceitos. Com base em minha experiência pessoal prática, dou razão a essa tese
e a sustento com base no que vivencio, comparo com a opinião comum de outros praticantes, a exemplo de Aaron Leitch e Jake Stratton Kent, que concordam que o atual magista não deixa de ser, ao seu moderno modo de
viver, um xamã ou feiticeiro ligado ao mundo espiritual. 

Kali, a Ira Divina
AShTarot Cognatus

Em algumas escrituras tântricas e na tradição oral é possível encontrar a exposição de uma extensa relação entre Kali e Krishna. No Todala Tantra é possível observar diversas divindades masculinas relacionadas às Dasa Mahavidyas, mencionadas acima como sendo as dez formas de Shakti Devi. A forma masculina relacionada à Kali é justamente Krishna, e ambos são chamados de Shyama devido a tez escura. O significado disso é que tal como a cor negra
representa a ausência de cores, Kali e Krishna são ausentes de qualidades materiais (nirguna). Outra explicação dada pelo Kalivilasa Tantra é que Krishna
teria nascido de Devi que é dourada (Gauri), mas devido a Sua paixão transcendental
(kama) após ser atingida pelas
flechas de Kamadeva, o equivalente ao Cupido grego, ela tornou-se negra. 

O Mito da Caverna e a Bhakti-Yoga
Madhukari Radhika Devi Dasi

Se para Platão o conhecimento filosófico é que dissipa a ignorância, o mesmo pode ser dito da Bhakti-yoga. De forma bastante semelhante à explicada por Sócrates a Glauco, Krishna descreve ao guerreiro Arjuna o caminho que conduz ao conhecimento do absoluto, que nos permite compreender o mundo material e o mundo espiritual. Tal diálogo ocorre momentos antes do início da batalha de Kurukshetra, um grande duelo entre partes de uma mesma família que ocorreu na Índia há cerca de cinco mil anos. Arjuna não somente precisava lidar com a iminente
batalha que se aproximava, como também precisava lidar com uma guerra
que eclodia dentro de si mesmo. Ao ver o exército oponente (com seus primos, avôs, mestres etc.), ele é tomado por sentimentos de lamentação e ignorância
e se recusa a executar o seu dharma (dever prescrito) de kshatriya (guerreiro). Após ouvir todas as lamentações de Arjuna, Krishna finalmente começa a discursar sobre os ensinamentos que beneficiariam tanto o guerreiro como milhares de gerações futuras.

Decifrando o Processo Alquímico: O Testamento de Aristeu
Rafael Resende Daher

O pequeno tratado “As Palavras de Aristeu a Seu Filho”, do século
XVI, é uma importante obra
alquímica que resume, em poucas linhas, o processo da autorrealização da Grande Obra. Não seria possível esmiuçar todos os elementos apontados
no tratado, pois a linguagem cifrada dos alquimistas serve justamente para resumir em pouquíssimas palavras um
processo lento, complexo e repleto de significados. Entretanto, tratarei aqui,
da melhor forma possível, da doutrina da Arte Régia que está exposta no referido
tratado, bem como dos pontos principais para a realização da Grande
Obra. Em primeiro lugar, voltamos nossos olhos para a cosmologia alquímica.
Sem compreender a cosmologia, é impossível compreender o ensinamento
para a realização – e isso não é exclusivo da Alquimia, mas também de todas as filosofias, religiões e escolas de sabedoria. 

Não Pise em Hadit
Antônio Dissenha

O Thelemita busca escrever sua vida com sua própria caligrafia. Ele segue regras, leis, códigos e normas, sim, na medida em que elas não agridem sua essência. Entretanto, caso esses regulamentos de comportamento deixem de fazer sentido em seu íntimo e visão de mundo, a Lei de Thelema incita o Rei a buscar seu próprio julgamento. Lembre-se, contudo, de que o sistema jurídico não é Thelemita. 'Que você colha em abundância o que está plantando', adverte o adágio cabalista, então consulte um advogado antes de sair por aí fazendo bobagem. Mas em um tom mais sério, o conceito de 'desobediência civil' é compatível com o conceito de conformidade Thelemita, pois este busca conviver em harmonia com o mundo, mas primeiramente harmonia com seus valores e com seu íntimo com sua própria dignidade.
De maneira similar, não é porque o thelemita deve pensar em si mesmo em primeiro lugar que ele vai virar um vilão de filme trash.

Endereço
Terceira Travessa da Colmeia, 622. Fazenda Ibiúna, Pindamonhangaba, SP.

Contato
Email: editoradarash@gmail.com
Telefone: +55 12 991409194
WhatsApp: +55 12 991409194